Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009
Margarida Furtado de Mendonça

Porque há cada vez mais pessoas a pensar como nós. É um facto.

Porque há cada vez mais pessoas que acreditam em quem trabalha e não baralha. Ainda não suficientes, mas são cada vez mais. Que devolveram ao CDS um resultado histórico.

É este o caminho, e é...é demorado.


Estou contente por ter aqui passado, por saber que a Rua Direita segue cada vez mais a direito, porque os portugueses quiseram. Há becos à esquerda, e não são pequenos mas, becos que são, não têm saída e por si hão-de acabar.


É preciso acreditar. É preciso trabalhar.

Parabéns ao CDS, a todos os que se esforçaram e conquistaram cada voto. Parabéns e obrigada.


 


Publicado em 28/9/09 às 20:21
Link | Comentar | Comentários (5)

Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009
Margarida Furtado de Mendonça

Não acredito em sondagens. Preocupa-me que haja quem acredite e que se deixe ir. Preocupa-me que haja quem pense que não vale a pena que um voto não faz diferença. FAZ. Faz toda a diferença, um voto é um voto, é um, é o único que cada cidadão pode e deve dar, não há outro.


 


Não acredito. A mim as sondagens não influenciam, só me espantam. Mas vamos ver que o resultado das sondagens nada tem a ver com os resultados de domingo.


 


Não votar PS no dia 27, é um princípio. Votar CDS é a solução.


Publicado em 25/9/09 às 16:11
Link | Comentar | Comentários (5)

Adolfo Mesquita Nunes

Manuela Ferreira Leite diz que votar CDS é indiferente. Ficámos portanto a saber que, para Manuela Ferreira Leite, é indiferente que, pelo menos, o PS ganhe um deputado ao CDS em Aveiro, Braga, Porto, Santarém e Setúbal (círculos em que o último deputado a eleger está a ser disputado unicamente pelo PS ou o CDS). Ou seja, para Manuela Ferreira Leite, é indiferente que seja o PS ou o CDS a ganhar estes 5 deputados.


 


E recordo que nos círculos de Leiria, Lisboa, Viseu e Viana, a eleição do último deputado pelo PSD se faz à custa da não eleição de um deputado pelo CDS, pelo que o PS em nada sai penalizado pela transferência de votos do eleitores que preferem o CDS para o PSD.


 


De notar que esta contabilidade tem em conta os eleitores que estão indecisos entre um e outro partido, salvaguardando por isso os resultados habitualmente conseguidos pelo PSD graças ao seu eleitorado seguro.


Publicado em 25/9/09 às 16:08
Link | Comentar

Margarida Furtado de Mendonça

Encontrei uma explicação de b-a-ba maravilhosa. Tira dúvidas básicas. Não é preciso ser mestre em nada para perceber.

é de pequenino...




 


Publicado em 25/9/09 às 16:00
Link | Comentar

Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009
Diogo Duarte Campos

A racionalidade do voto no CDS decorre, como o Adolfo já explicou, da matemática: em muitos casos o CDS não disputa eleitos com o PSD, mas sim com o PS e com o BE e/ou CDU.


 


Por outro lado, há ter em consideração que para que haja uma maioria de centro direita - que é o que releva – PSD e CDS necessitam de ter juntos entre 44% e 45%, mas não quaisquer 44% ou 45%.


 


Isto é, se o PSD tiver 39% a 40% do votos e o CDS 4% a 5% (nem com Cavaco teve menos) não haverá maioria de centro direita em Portugal, na medida em que em muitos distritos o CDS deixará de eleger deputados que serão eleitos directamente pelo PS e BE (sobretudo).


 


Já se o PSD tiver entre 34% a 36% dos votos (sejamos sinceros, muito mais realista do que 40%) e o CDS perto de 10% (que também é realista), haverá uma maioria de centro direita.


 


Assim, o voto no CDS não só é útil pelo que defende e impõe, como é racional.


Publicado em 24/9/09 às 17:02
Link | Comentar

Adolfo Mesquita Nunes

Com base nas recentes sondagens, pedem-nos que votemos PSD. Mas para que os votos do CDS pudessem garantir a vitória isolada do PSD seria necessário, com base nessas sondagens, que o CDS tivesse 0%. Não estarão a pedir demais? Não costumavam ser mais discretos, estilo sugerir a mudança do sistema eleitoral e coisas assim?


 


(para ver como uma boa votação do CDS pode ser mais útil do que transferir, sem mais, os votos CDS para o PSD, ver este meu post)


 


Publicado em 24/9/09 às 15:41
Link | Comentar

Adolfo Mesquita Nunes

A campanha de Portas teve ainda outro mérito: foi capaz, aqui e ali, de verbalizar o discurso de uma direita a que eu gosto de chamar de ‘direita trabalhista'. Infelizmente, não temos grande tradição dessa direita porque quem se diz de direita em Portugal ou quer pertencer a uma família que julga superior, ou acha que a direita deve ser um projecto de proselitismo político, uma espécie de salazarismo em democracia.


 


O grande valor da direita trabalhista é mesmo a independência individual, que se pode conseguir à custa do esforço e do trabalho, contra todos os intervencionismos, burocracias, falsas hierarquias e interesses organizados, obstáculos à realização de cada um. Pedro Lomba


Publicado em 24/9/09 às 11:07
Link | Comentar | Comentários (3)

Adolfo Mesquita Nunes

Existe muitas vezes a tentação simplista de achar que um voto no CDS é um voto retirado ao PSD. Isso será assim nos distritos em que o CDS não tem qualquer tipo de hipótese, sequer remota, de eleger um ou mais deputados.


 


Mas assim já não será se, pelo contrário, o CDS estiver em condições  (ou estiver em condições muito próximas) de eleger deputados. E  tal deve-se ao facto de, em vários círculos eleitorais, a transferência de votos do CDS para o PSD não ser suficiente para este partido eleger mais um deputado mas ser suficiente para que o CDS o faça, roubando-o às forças de esquerda. Coisas do nosso sistema eleitoral.


 


Como diz o Luís Casalta nos comentários ali em baixo, e utilizando a recente sondagem Eurosondagem para o distrito de Braga, a distribuição de deputados será: PSD 8 deputados, PS   7 ou 8 deputados, CDS 1 ou 2 deputados, BE  1 deputado e  CDU 1 deputado. Neste caso, o que está em causa é a eleição do 19.º deputado, que será, de acordo com os resultados da sondagem, do CDS ou do PS. Ou seja, nos termos desta sondagem, em Braga, votar CDS dará ao PSD+CDS 10 deputados, ao passo que ao votar PSD apenas serão eleitos 9 deputados. Em Santarém, outro exemplo, o deputado em causa que todas as sondagens hesitam em atribuir está a ser disputado entre PS e CDS. Nesse caso, mais uma vez, um voto no CDS significa derrotar o PS.


 


Seria preciso correr sondagem a sondagem para saber ao certo e com rigor em que casos é que os votos dos eleitores indecisos no CDS permitem aumentar o número de deputados eleitos pelos partidos à direita do PS. Ou seja, para saber em que círculos é que um forte voto CDS rouba deputados ao PS ou CDU ou BE. Mas olhando para a média das sondagens, é possível dizer que Aveiro, Braga, Coimbra, Faro, Santarém, Viana do Castelo e Viseu são distritos em que isso pode acontecer.


 


Seja como for, é importante que se perceba, quando aqui se vem afirmando que um voto CDS não significa um voto a favor de Sócrates, que tal está apoiado na realidade do nosso sistema eleitoral. Daí que a utilidade do voto não pode ser verificada na simplista forma de pedir aos eleitores indecisos para votar no partido do lado para derrotar o PS. Em vários casos, isso pode mesmo ser o primeiro passo para a vitória socialista.


Publicado em 24/9/09 às 00:36
Link | Comentar | Comentários (14)

Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009
Adolfo Mesquita Nunes

O CDS/PP, por fim (e para surpresa minha) surge destacado como o partido mais equilibrado. Nem emocionalista nem racionalista e, na outra vertente, nem hiper-realista nem fantasista.

Se os portugueses não estiverem chalados, no próximo dia 27, segundo as suas perspectivas ideológicas e interesses, devem distribuir os seus votos, preferencialmente, entre o PS, o PSD e o CDS. Em particular, este último partido pode ajudar a “equilibrar” uma futura solução governativa.
Joaquim no Portugal Contemporâneo


 


Publicado em 23/9/09 às 12:18
Link | Comentar


Toponímia
Declaração de Princípios
Biografias
Estudos de Tráfego
Baixar Impostos?
Políticas de Natalidade
Energias Renováveis Alternativas
Economia Subsidiada
(in)Justiça
Contacto
ruadireitablog [at] gmail.com
Autores
Mais Comentados
5 Comentários
3 Comentários
Pesquisar
 
Tags

aborto(1)

açores(2)

adopção(1)

agricultura(2)

água(1)

ambiente(22)

asfixia democrática(2)

autárquicas porto(1)

be(2)

biografias(1)

bloco(14)

bloco central(19)

blogconf(10)

calúnia(1)

campanha(2)

cartazes(9)

casamento(3)

casamento entre pessoas do mesmo sexo(12)

cds(55)

censura(1)

centralismo(1)

centrão(6)

cerejas sem caroços(1)

código contributivo(1)

código de execução de penas(1)

coligação ps / pcp(1)

coligações(3)

competitividade(1)

comunicação política(1)

comunicação social(7)

comunismo(6)

confiança(1)

conservadorismo(5)

debates(132)

demagogia(2)

democracia(7)

democracia-cristã(2)

desemprego(2)

economia(64)

educação(16)

educação sexual(2)

eleições(49)

emprego(3)

energia(24)

escola pública(2)

estado(2)

estalinismo(4)

estudos de tráfego(6)

extrema-esquerda(2)

família(4)

fiscalidade(24)

imigração(4)

inovação(5)

investimento público(5)

jornal nacional(5)

justiça(16)

lei do arrendamento(2)

leninismo(5)

liberalismo(20)

liberdade(10)

louçã(3)

magalhães(4)

mandatária juventude ps(2)

manuela moura guedes(8)

maoismo(4)

marketing(4)

marxismo(2)

media(15)

mercado(2)

meritocracia(4)

mobilidade(6)

não(2)

natalidade(41)

ordenamento do território(2)

políticas públicas(34)

portugal(2)

presidência da república(2)

produtividade(2)

programa cds(23)

programa eleitoral(2)

programa ps(17)

programa psd(2)

programas eleitorais(3)

ps(43)

psd(24)

rua direita(25)

saúde(11)

segurança(7)

segurança social(8)

simplex(2)

socialismo(2)

sócrates(8)

socrates(2)

subsídios(7)

trotskismo(5)

tvi(2)

união de facto(8)

voluntariado(2)

voto útil(22)

voto verdadeiramente útil(9)

todas as tags

Twingly BlogRank
blogs SAPO