Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arquivo Rua Direita

Arquivo Rua Direita

24
Ago09

Comércio Internacional

Carlos Martins

A teoria económia de comércio internacional tem duas ramificações importantes actualmente.


 


A primeira (e mais antiga) sugere que há vantagens comparativas entre os países, que será daí que surgirá a afectação dos recursos e meios de produção. (que tipo de produtos a exportar, de produção de capital intensivo ou mão-de-obra intensivo...)


 


A segunda segue a perspectiva das economias de escala, onde não havendo padrão de trocas pré-definido por vantagens comparativas, há a ideia de que poder-se-á melhorar a riqueza em relação a uma situação de autarcia através do aumento da produção de um determinado bem em que o custo de produção é mais que proporcionalmente decrescente. 


 


Há portanto, duas correntes diferentes que sugerem que há ganhos em sair de uma situação de autarcia e abrir ao comércio internacional (com ou sem barreiras).


 


No primeiro caso, mais liberal, que começou em David Ricardo, os ganhos baseiam-se nas diferenças relativas de meios de produção, avanços tecnológicos e dimensão das economias.


 


No segundo caso, ainda assim também liberal, apresentado pelo agora Nobel, Paul Krugman (que curiosamente não é propriamente conhecido pelas suas posições a favor do capitalismo no seu estado mais puro... ), defende que é através das economias de escala e na diferenciação que os ganhos no comércio internacional podem surgir. Em nenhum caso sugere o proteccionismo como solução.


 


O proteccionismo é como a ilusão monetária (ou qualquer substância alucinogénica), tem um efeito positivo curto prazo e perverso (e muito negativo) no longo. Dá ilusão de riqueza interna, quando de facto há empobrecimento relativo ao exterior (compra-se os bens mais caros que seria possível e há gastos públicos para subsidiar a produção, o que provoca desvalorização da moeda e/ou perda de competitividade). Há uma afectação sub-optima dos recursos. E, por último, há a retaliação do exterior, o que no caso de uma pequena economia (supostamente) aberta como a nossa seria devastador para a produção interna.


 


A balança comercial ser deficitária, per se, não é um problema; a incapacidade de ser competitivo sim... Ou seja, o problema está essencialmente em Portugal não conseguir ser competitivo, e isto não se resolve com subsídios, resolve-se com políticas de incentivos abrangentes que premeiem os melhores e acabe com os ineficientes. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contacto

ruadireitablog [at] gmail.com

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D