Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arquivo Rua Direita

Arquivo Rua Direita

02
Ago09

Conservadores: não tão simples assim

Nuno Miguel Guedes

O João Galamba escreveu há alguns dias, a propósito deste post, sobre a sua concepção de conservadorismo e em particular a devoção que os conservadores alegadamente têm a Michael Oakeshott: «Os conservadores adoram Oakeshott - adoram a sua elegância e depuração estilística, a sua moderação, o seu anti-aventureirismo.», concluiu a partir de uma citação que fiz no referido post e que para poupar trabalho, repito:« «I am a  member of no political party. I vote – if I have to vote – for the party which is likely to do the least harm.». O que eu deveria ter feito seria completar a citação, que termina assim:«To that extent, I am a Tory».


 


Ora esta é apenas uma das sérias ironias que Oakeshott adorava fazer e que terá sido responsável pelo filósofo nunca ter sido aceite pelo establishment académico e político. Não lhe chamavam o Tory Dandy por nada. Mas isto não terá importância. São as conclusões que o João retira que me parecem simplistas e, o que é pior, erradas.


 


Os conservadores não adoram Oakeshott: este conservador e outros certamente: por tudo o que o João enumerou,  pela sua heterodoxia, pelo combate ao racionalismo na política - que levou aos desastres totalitários que conhecemos e que o marxismo, esse fatalismo positivista, é só um dos lados - e sim, por algum cepticismo. Mas outros conservadores preferirão Leo Strauss, Berlin ou Hayek, longe de Oakeshott (sobretudo o primeiro).


 


Não me parece que não defender a mudança como valor em si - que é o que aqui se trata - seja uma desvalorização da realidade; nem que o conservador, no seu casulo céptico, pratique uma não-acção desfasada com a realidade. Muitos foram os conservadores que ficaram na História pela capacidade de medir riscos e evitar a mudança pela mudança, agindo. Churchill é um caso óbvio.


 


Há de facto uma diferença de visão do mundo, e isso já todos percebemos. O que não se pode acusar um conservador é de não viver intensamente o dia de hoje, aproveitando-o e filtrando o que nele há-de bom, em detrimento de  algo que provavelmente será melhor. Para isso é preciso viver, que é como quem diz, estar imerso na realidade social e humana sem a ambição de a dirigir para cenários mírificos que nos aguardam mesmo ali à esquina. E, como o próprio Oakeshott defendia, saber que se é capaz de se ser conservador em relação à forma de governo e radical em todas as outras actividades.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contacto

ruadireitablog [at] gmail.com

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D